Atrás das grades

28.9.20

Um ano letivo que começou a medo. Uma escola pública e um novo mundo por descobrir.

Tenho a sorte do Tomás ser das pessoas que conheço que mais aceita a mudança com tranquilidade. No seu primeiro dia, pouco dormiu e até dores de barriga teve, mas mesmo assim não perdeu o seu sorriso. 

Como todos os outros foi de lancheira na mão, sem qualquer referência, para dentro de uma escola que nunca lhe tinha visto as paredes.

Não sei o que é ser pequenino e ver-se de repente sem o aconchego dos pais, ver máscaras e desinfetante "ao molhos", não ver sorrisos mas olhares e não poder ter nenhum abraço para aconchegar.

Mas sei o que é ficar do lado das grandes a ver  a sua audácia em ir, de peito aberto e sem medos.

E se por um lado o seu sorriso em ir e voltar tranquiliza-me, a falta do contacto com a professora ainda me inquieta.

Tem sido o mais difícil para mim de gerir. Quando o vou buscar, sinto falta de saber mais, de ir um pouco mais além do que ele me conta. 

Sinto falta de ver as paredes da escola decoradas de desenhos, de sentir o cheiro da sala onde passa grande parte do seu tempo e de trocar olhares e palavras com a professora.

Tenho criado uma relação à distância por mail e temo estar a concorrer ao lugar da "mãe mais chata" do ano mas tenho necessidade de saber como estão as coisas a correr.

É um ano diferente, de uma grande exigência emocional para todos. É preciso confiar! Segurar a nossa ansiedade e deixa-los voar.

Eles precisam de sentir a tranquilidade nas nossas palavras e nós precisamos de os ver a serem simplesmente crianças.

E se antigamente, era só mais um dia. Agora cada dia é uma vitória de superação para todos.

E vocês, como têm gerido estes dias atrás das grades?






5 comentários:

  1. Andréia peça à educadora para tirar fotos dos trabalhos. Um grupo no whatsapp entre pais e educadora, para que possam ter acesso às atividades, aos trabalhos. Sei que é preciso tempo por parte dos educadores, mas como mãe neste ano especial fico muito contente por ao menos dessa forma poder ter acesso ao que se passa. Um beijinho, que excelente exemplo de força e superação, gosto muito de a ler.

    ResponderEliminar
  2. Também estou na corrida ao lugar de "a mãe mais chata" :)

    ResponderEliminar
  3. Têm sido um grande desafio, mais do que ver falta-me o sentir do dia a dia dos meus filhos nas suas salas de aulas.

    ResponderEliminar