O meu Anjo

18.12.18
Confesso que precisei de refletir primeiro e só depois meter tudo para o papel o que senti e o que vivi naquela sala.

Desde que recebi aquele convite que contava religiosamente os dias para o grande dia, um pouco como as crianças para o Natal.

Trabalhei até às 16h e nesse dias bloqueie todos os compromissos, não havia mais nada que importava, a não ser o meu filho.

Era o dia dele e eu queria estar lá, não na terceira mas na primeira fila. E sim fiquei na primeira fila eu e mais a minha família.

A nossa família é como os "ciganos", vai tudo! Não há quem fique à espera de vídeos ou de fotografias, querem todos aplaudir o T de pé e não é pela sua trissomia mas sim porque a nossa forma de viver é assim, é como se fossemos um clã, um por todos e todos por um.

Assim que o vi entrar pelas portas o meu coração bateu de forma acelerada, fiquei mesmo a trás dele e aos poucos foi-se virando e começou a procurar por cada um de nós lá nos foi encontrando um a um.

Procurou por todos e todos estavam lá por ele! Acredito que isso deu-lhe a confiança necessária para que desempenhasse o seu papel na perfeição.




Quando subiu ao palco, de certa forma, eu também subi, era como se fosse eu que ali tivesse de mãos dadas e acredito que isso acontece com todas mães.




Eles estão ali a mostrar todo o seu esforço de dias e semanas de ensaios e é incrível como cada criança procurou em cima daquele palco a sua identidade e isso para mim foi emocionante ver, é sinal que as crianças têm necessidade de encontrar o seu porto seguro.

No fim o que importa é que sejamos nós a estar ali de mãos dadas e a viver todas estas emoções.

O T divertiu-se, sentiu a segurança necessária para desempenhar o melhor papel de Anjo e foi acima de tudo muito Feliz!!

E eu emocionei-me com cada sorriso e com todo o seu papel que foi mais que um simples anjo :)

Parabéns à escola que proporcionou a melhor festa de Natal aos pais e às nossas crianças.













Mulher moderna

17.12.18
Portugal está cada vez mais cheio de marcas giras!!

A Miclair valoriza a elegância e a sofisticação da mulher moderna que tantas vezes concilia a vida profissional com a gestão familiar, não descurando os programas com amigas.

As noites agora estão cheias de jantares e festas por isso é uma boa oportunidade para espreitarem o site.

Tal como eu vão adorar o design original de cada peça.

E existem muitas peças a 30%!!







Miclair 

A revolta de um futuro ingrato

13.12.18
Das coisas mais assustadoras na vida é o futuro, nunca sabemos qual a melhor decisão ou como será o dia de amanhã.

E é esse futuro que muitas vezes nos atormenta para viver um presente feliz!

A felicidade depende de nós e temos de ser nós a lutar por ela pois caso contrário nada acontece e corremos o risco de viver uma vida infeliz mas depois existem tantos outros factores que dependem de terceiros e de circunstâncias que não conseguimos controlar.

Certezas ninguém tem mas cabe a nós fechar os olhos e lutar para que num futuro tudo seja diferente.

Confesso que nunca tive medo do futuro, primeiro porque penso que comigo nunca vai acontecer algo de menos bom (talvez seja egocentrismo ou então a forma que encontro para me escudar de uma realidade que tantas vezes me chega à porta) depois fui "obrigada" a pensar e a viver o presente e é isso que me tem afugentado das sombras da vida.

Quando o T nasceu percebi que de tudo o que mais assustava era o seu futuro, porque eu como mãe posso dar-lhe tudo e todas as ferramentas para que ele tenha um desenvolvimento o mais típico do "normal" mas tenho consciência que não posso viver uma vida que lhe pertence.

Hoje, ele é uma criança encantadora, com um brilho no olhar único e com um sorriso que move até aqueles corações mais duros mas ele vai crescer e vai perder naturalmente a sua graça de criança, vai precisar de mostrar que tem valor e que acima de tudo tem um lugar nesta sociedade.

Vamos enfrentar a adolescência, a maldade das pessoas, os olhares indiscretos, comentários inoportunos e tantas portas que se fecharão...

E não, não sou eu a querer ser pessimista, mas sim a ter consciência do mundo que vivemos. Contudo vivo bem com estes meus medos porque a minha forma de estar é mais forte que tudo isto.

E eu cá estarei de mãos dadas com o meu filho para enfrentar estes rente pedregulhos que se atravessarão no nosso caminho.

Isto tudo porque infelizmente tive conhecimento que existe um caso numa escola no nosso país que não deixa avançar uma aluna para o 10º ano porque tem o "azar" de ter o cromossoma a mais. Como é possível? Isto é revoltante!!

"era a informação de que a minha filha deveria sair da escola no fim do ano, se quiser ficar, pode, mas teria que repetir o 9º ano até ao fim da sua escolaridade, seguir para o 10º ano é que não.

Gentis! Devia ser o momento em que devia ter agradecido, nem sei porque não o fiz. Pode repetir o 9ºano com outro grupo até fazer 18 anos e depois ir. Que ideia magnifica, solução mega pedagógica, não fossem professores diria que nunca tinham ouvido falar nesta coisa da pedagogia.

A conversa além de inesperada foi das mais estranhas que já tive, ainda a estou a digerir. Fui ainda informada de que há um homem "mau" que trabalha no ministério da educação alemão, que proíbe que a Vera siga para o 10º ano. Este Senhor mau no ministério lá longe deixou claro que, se a aluna, que frequenta a escola desde os três anos ousar pôr o pezinho no 10º ano a escola será invadida de uma tal fiscalização que retirará a autorização de passar aos alunos futuros diplomas de 12ºano.

Tão mau, mais mau não há. Sem rei, nem roque, este senhor provavelmente nunca ouviu falar de Convenção dos Direitos da Pessoas com Deficiência (CDPD), deve até achar, se é que esta história é verdade, que há pessoas de primeira e pessoas de segunda. Saliento que tanto Portugal como a Alemanha assinou este acordo vinculativo"


Não são palavras minhas mas podiam ser pois tal como esta mãe também eu tenho um filho com necessidades especiais.

É duro! Muito duro!

Nós pais damos tudo o que podemos e o que não podemos, os nossos filhos perdem horas da sua infância para se igualarem aos seus colegas e depois alguém ignorante, que não dá a cara, acaba com sonhos de uma vida e descrimina uma pessoa da forma mais dura e ingrata que há.

Há coisas que não entendo e enquanto mãe posso garantir que vou lutar até as forças me faltarem!

Força Verinha, vamos com tudo e cá estaremos para te ver entrar com o pé direito no 10ºAno.

Partilhem esta situação!!








A carta ao Pai e à Mãe (Natal)

12.12.18

Era uma vez um menino, que como tantos outros meninos, foi convidado na escola a “escrever” uma carta ao pai natal, uma vez que se aproximava uma data tão esperada e especial para os meninos da sua idade (e não só).

Mas aquele menino, pensou, pensou, pensou e decidiu que não queria “escrever” uma carta ao pai natal… afinal de contas não era o pai natal que lhe poderia trazer o que mais o fazia feliz neste natal… Perante esta decisão, a professora perguntou ao menino, que trabalho ele gostaria então de fazer em vez de escrever a carta ao pai natal: - “quero escrever uma carta ao pai e à mãe”, respondeu.

Muito bem, vamos então escrever uma carta ao pai e à mãe, o que lhes queres tu dizer? – perguntou a professora ao menino.

O menino muito decidido, começou então a dizer: “Olá papá e mamã, como acham que me portei este ano? Eu acho que sem ser algumas vezes em que não quis tomar banho e que escondi os brinquedos do mano, me portei muito bem… Estive a pensar e acho que o meu quarto já está cheio de brinquedos, já tenho os meus preferidos. A professora diz muitas vezes que os pais deviam dar mais atenção aos filhos e passar mais tempo com eles… Sabem, eu acho que ela tem razão. Neste natal, gostava de vos pedir que brinquem mais comigo, com tempo e paciência, que me levem a passear ao parque e estejam lá mesmo comigo, por vezes não vos sinto lá. Sinto falta do vosso colo, das cócegas que provocam gargalhadas, que olhem mais para mim e para o mano do que para o telemóvel. Preciso que tenham mais paciência, sabem que quando gritam, eu fico nervoso?! E isso deixa-me mesmo assustado… Também gostava que acreditassem mais vezes em mim! Gostava que saltassem comigo na cama aos sábados de manhã e me ensinassem a fazer bolachinhas de chocolate. O meu coração enche-se quando me dizem que gostam de mim e que se sentem orgulhosos de mim cada vez que marco um golo no futebol. Também vos quero pedir que sejam mais amigos e discutam menos um com o outro. Não gosto de ir para a cama e ver que estão zangados um com o outro. Ser crescido não parece ser assim tão divertido. Por agora é tudo, se não conseguirem nenhuma destas coisas, ou menos escolham um jogo para podermos jogar todos. Não quero brinquedos para me ocuparem. Acham que exagerei nos pedidos? Se o pai natal visse isto, talvez dissesse que sim… mas não custa tentar! Amo-vos muito. “
Este menino ainda não sabia escrever todas aquelas palavras, foi a professora que transcreveu as suas e ao perceber o quanto aquela carta poderia ser importante, decidiu chamar cada menino para que também pudesse escrever a sua carta ao pai e à mãe, no Natal.

Esta história, pode repetir-se em cada uma das nossas casas, experimentando fazer este exercício com os seus filhos que já se conseguem exprimir, paralelamente à carta ao pai natal. Talvez fique surpreendido com os pedidos que eles irão fazer. Acredito que a maioria estarão ao seu alcance.

As crianças são simples, na sua essência, precisam de pouco para serem felizes. A comunicação social e a publicidade, impõe às crianças, necessidades que eles não têm. E nós, adultos, permitimos que o consumismo domine o nosso dia a dia, contribuindo para que as crianças sintam que o muito é sinónimo de melhor. Esquecemo-nos muitas vezes que o menos pode ser mais.

Então, neste natal, reconecte-se consigo e com a sua família, decida em consciência relativamente aos presentes que irá oferecer (lembre-se que o essencial custa pouco) e oiça a voz das crianças, elas levam-nos sempre para a simplicidade das coisas. 

Look
BabybyPiki
A
lecrim
Pés de Cereja
Fotografia 
Centrimagem 


Festas Felizes!

Com regras e com amor,
A vossa psicóloga,

Ana Trindade

O Vídeo

11.12.18
Montar a árvore em nossa casa é sempre um momento especial na nossa família.

E são estas recordações que ficam para sempre :)



O Natal já chegou

10.12.18
O Natal já chegou a nossa casa!!

Confesso que já andava angustiada por ainda não sentir o Natal em nossa casa mas a vida acelerada dos últimos tempos não nos deixou grande margem para a montar antes contudo da quinta-feira passada não passou.

E foi tão bom sentir toda aquela felicidade nos meus filhos, à medida que crescem começam a ter maior noção do que é o Natal e é taõ bom ver o lado ingénuo das crianças.

O T e o FM não pararam de dizer "É Natal, É Natal". E pela primeira vez foram eles que meteram as bolas na árvore, o pai montou a estrutura e eu decorei a casa.

Claro está que depois de eles decorarem a árvore, só uma parte estava com bolas. Que vontade de rir eu tive...

Deixei que eles fossem jantar e de uma forma discreta espalhei as bolas de uma forma uniforme.

E desta forma começou o Natal na nossa casa!




Look | Puro Mimo 


Este arranjo enche qualquer casa.
My Flower Box




O nosso postal de Natal

6.12.18
Há imagens que valem mais que palavras.

Os sorrisos e o brilho no olhar do T e do FM mostram na perfeição o que foi fazer estas fotografias.

A sessão de Natal já começa a ser tradição na nossa família, é giro ver todos os anos o quanto cresceram e depois aproveito imensas fotografias para oferecer.

Não existe melhor presente que uma fotografia na minha opinião.

Uma vez mais escolhemos a Centrimagem para fotografar o que será o nosso postal de Natal. O estúdio estava com cores quentes, onde se sentiu o verdadeiro espírito de Natal.






O look foi escolhido com muito cuidado e carinho e será o que vai ser usado na noite da consoada.

Há uns tempos que a marca BabybyPiki marcou-me pela sua história e força e esta seria a escolha perfeita para aconchegar ainda mais as nossas almas e a da querida Cláudia que tanto merece o nosso abraço.




Para conjugar os calções optei por uma camisa branca da Alecrim, uma marca também portuguesa e muito querida na nossa família.



E nos pés as clássicas carneiras da Pés de Cereja que combinam na perfeição com este tipo de look.

Confesso que adorei todas as fotografias e foi muito difícil escolher as mais giras para vos mostrar por isso mostro-vos quase todas.