O regresso a uma cidade que não está igual

13.5.20
Minto se vos disser que o voltar foi fácil, porque não foi.

A cidade traz-nos memórias de um antigamente que já parece tão longe. A nossa casa está diferente e nós também. A vida no geral mudou e deixámos de projectar o futuro. 

Vive-se o presente com tudo o que ele tem de bom e de mau.

O país quer voltar ao antes mas não vai ser fácil apagar das nossas memórias o medo que se viveu e que ainda se vive. Somos portugueses, pessoas de afectos, de emoções fortes, de abraços, de festas e de grandes jantares. Somos do calor humano e isso foi-nos retirado sem pedir licença.

Outras oportunidades surgiram é certo. A oportunidade que se deu à família é o maior ganho desta pandemia mas tudo o resto perdeu-se e vai demorar tempo para se ganhar novamente.

O campo faz-nos esquecer, lava-nos a alma mas a cidade lembra-nos que tudo mudou. Hoje uma simples ida às compras assemelha-se a uma maratona, as ruas continuam vazias (e ainda bem), o comércio está parado e o online continua a prevalecer. Não existe trânsito, nem barulho de fundo. As conversas de rua foram substituídas por olhares de medo escondidos através de uma máscara.

Hoje existe medo e desconfiança!

Deixou de haver partilha. Deixou de haver alma na nossa cidade!

Este voltar tem sido vivido assim, de forma esquisita porque de facto não existe normalidade nenhuma. Existe sim uma vontade enorme de voltar a conquistar o passado mas ainda tão longe do nosso horizonte.

A palavra casa nunca foi tão forte como agora pois é nela que encontramos segurança e mais que nunca se tornou o nosso porto de abrigo. É em nossa casa que se respira além de uma máscara e que nos reconhecemos.

A família embora mais perto, ainda é muito vista à distância. 

Foi um voltar estranho. É um respirar diferente.











Sem comentários:

Publicar um comentário