Chegou a hora de mudar

9.5.18
As mudanças embora sejam sempre para melhor nunca são fáceis de gerir.

A terapia do T cada vez mais tem exigido trabalho motor o que implica uma logística e um espaço muitas vezes incomportável com a nossa casa.

Sempre que tenho consulta, digo ás terapeutas que o que me pedem é digno de um ginásio.

Toda esta logística fez-me equacionar sair de Lisboa por várias vezes em busca de uma moradia com espaço suficiente para que o T conseguisse fazer todos os seus exercícios, mas depois sair da nossa zona de conforto implicava uma outra dinâmica familiar que não sei a que ponto seria benéfica para nós.

As exigências foram aumentado mês após mês, etapas ganhas, objetivos alcançados e outros quanto a remediarem-se com as condições que eram possíveis.

Mas no meio disto tudo, nunca deixei de sonhar com um ginásio para o meu filho, mesmo não estando ao meu alcance.

Até que um dia perguntei à professora sobre a possibilidade do T começar a fazer a terapia na escola, e recebi um sim com um grande sorriso, foi como um abrir de uma porta.

Foram questionadas de imediato todas as salas possíveis com as condições necessárias para o efeito até que em reunião com a diretora houve a possibilidade de passar todos os materiais (que não são assim nada pequenos e poucos) para o ginásio da escola.

E desta forma cumpri o meu sonho de lhe "dar" um ginásio onde pode fazer todos os seus exercícios de uma forma livre.

Arrumei todos os materias em caixas, arranjei forma de levar tudo e seguimos de viagem para a escola do T e a partir de hoje passará a ser o seu local também para a terapia.

Mas no meio de tanta arrumação, foi como se tivesse tido um nó na garganta ao ver um roupeiro que até então servia de "escritório" para a terapeuta completamente despido. Sem conteúdo nenhum, sem vida. Assim que olhei para todo aquele espaço vazio foi como se tivesse revivido todos os exercícios que por ali passaram.

Naquelas paredes, ficaram grandes frustrações, muitas lágrimas, e sorrisos de vitórias. E quando entrar em casa  deixarei de encontrar aquele quarto cheio de trabalho e de metas por alcançar.
E jamais ouvirei aqueles ensinamentos através de uma porta.

Mas independentemente desta nostalgia que aqueles armários deixam tenho a certeza que o T agora está muito melhor e isso é o mais importante.

E tudo graças a uma escola que tem apoiado o meu filho como se fosse deles.

E é nestas coisas que tenho como certo que o meu filho não estaria em melhores mãos. Um agradecimento especial a esta escola que é só a melhor de Lisboa e arredores.

Mais uma etapa!
Vamos lá,  que a avaliação está quase aí à porta.




Sem comentários:

Publicar um comentário