2020

31.12.20
2020!

O ano que nos testou da forma mais crua que alguma vez podíamos imaginar.

E quando as doze badaladas tocaram e delineamos novas metas e objetivos estávamos longe de imaginar que  este ano seria tão atípico.

Um ano diferente, que nos testou, de grandes ensinamentos, que nos tirou muito, mas que também nos deu tanto.

O ano não começou da melhor maneira, onde sofri uma queimadura de segundo grau, que me levou às lágrimas e que me fez desejar ter dez filhos seguidos sem epidural tais as dores que senti.

O ano que nos obrigou a ver a vida tal como ela é, sem grandes floreados. Onde por momentos deixou de existir o rico ou o pobre, o preto ou branco. Percebemos que naquele momento éramos todos vulneráveis e que afinal o dinheiro apenas tem a importância que lhe damos, pois se não houver saúde, por mais dinheiro que se tenha, de nada vale.

O ano em que fomos obrigados a viver dentro das nossas casas e a viver em exclusivo para os nossos filhos. 

E não tirando as dificuldades todas que isso implicou, foi a maior oportunidade que o mundo nos podia ter dado. Talvez tenhamos perdido (muito) dinheiro mas os nossos filhos ganharam algo que nunca será mensurável: a nossa presença! Já nós ganhamos o privilégio de cozinharmos para eles, de lhes ensinarmos e de estarmos com eles sem olharmos para o relógio.

O ano que nos mostrou quem queremos realmente ao nosso lado, que nos permitiu não fazer fretes, que nos deu liberdade para escolher sem ressentimentos.

Porque os que gostamos verdadeiramente, continuámos a cuidar, a apoiar e amar mesmo à distância.

O ano em que mesmo com uma pandemia pelo meio voltei a conquistar uma amizade levada por mal entendidos à sete anos.

O ano em que a nossa família ficou mais pobre com a perca da minha avó e dos avós do meu marido. 

O ano em que me entreguei a um projeto que me é tão querido. O Desenvolve-T. Ali abracei famílias de braços abertos, chorei as suas dores mas vivi as suas vitórias como minhas. O ano em que o Desenvolve-T cresceu mesmo no meio de tanta adversidade.

O ano em que o meu coração parou de bater, quando vi o Tomás a ir, para um bloco operatório. 

O ano em que o meu marido mostrou que não existe amor maior que o de um pai para o filho quando tatuou uma cicatriz tal como a do Tomás para que ele nunca se sentisse sozinho.

O ano em que ganhei e que perdi! Não foi um ano para esquecer, mas sim um ano que será sempre lembrado de forma diferente.

O ano que nos mostrou as maiores fragilidades. E que nos fez valorizar o que de facto importa.

Um ano promissor que nos fez desejar tantas vezes que acabasse.

O ano 2020 que ficará para a história do planeta terra!

Sendo que amanhã quando acordarmos continuaremos a viver o rescaldo de 2020.

Podia desejar muito para este novo ano, mas os meus desejos não vão além de esperança, amor e saúde! É apenas isto que vos desejo 💗

Sendo que o melhor ainda está para vir...

Look 
Calções e Fofo | Mary Tale
Camisola | Chicco
Gola | Maria Costura 
Carneiras e meias | Pés de Cereja 




Sem comentários:

Publicar um comentário