Audácia de sonhar, de lutar pelos sonhos e ser feliz!

9.10.18
Das perguntas que mais me fazem é o que me levou a querer ser mãe depois do T e se não tive medo.

Mas por mais perguntas que me façam as respostas são sempre as mesmas.
Primeiro, eu e o meu marido merecíamos viver a maternidade em pleno, algo que nos foi roubado no nosso primeiro filho. Segundo porque nunca em momento algum senti medo, a trissomia do T era livre não havia nenhum motivo aparente para o seu cromossoma mais por isso as probabilidades mantinham-se iguais às da primeira. Depois porque também só existe um caso no mundo em que voltou a acontecer e por fim porque o medo nos impede de sermos felizes!

E foi com esta linha de pensamento que mergulhámos às cegas neste segundo filho, que se veio a chamar Francisco Maria.

Uma gravidez tranquila, sem medos, mas que me deu mais margem de pensamento para tudo o que pudesse correr mal e se houve coisa que aprendi na primeira gravidez foi a ter uma maior consciência para tudo o que pudesse fugir ao planeado.

Um parto induzido, deu-me margem para pensar mais sobre o assunto e desejar loucamente olhar para ele assim que saísse dentro de mim.

No momento em que nasceu foi um amor imediato, sem medos, com o verdadeiro amor à primeira vista, algo que me tinha sido roubado no dia 6 de Agosto de 2014.

Naquele momento éramos só nós, tudo o resto tinha deixado de fazer sentido, tê-lo nos meus braços de uma forma tão simples e descomplicada foi dos momentos mais incríveis que alguma vez senti.



Algo que para muitos é tão banal e que para mim era tão importante.

Recordarei para sempre a nossa primeira noite, em que eu não desgrudei um segundo dele, em que lhe peguei vezes sem conta só para lhe tocar e cheirar. Do outro lado do quarto, no cadeirão azul estava o meu marido a olhar para nós e a dizer "realmente é tão diferente do que passámos com o T, é tudo tão simples e tão leve. Agora sei o que é viver o nascimento de um filho em pleno".



Embora estivéssemos muito felizes com o T, havia algo em nós que nos pedia mais, pedia o outro lado, o lado mais simples, o lado sem lágrimas de medo e de sofrimento por algo que não se conseguia apalpar.

Era o outro lado da maternidade que todos os pais têm direito a viver e que nós também o merecíamos.

Não sou corajosa como dizem, apenas sou uma sonhadora nata e sabia que havia muito mais que este lado que me era mostrado, que para ser sincera também não era assim tão diferente, era só mais "complicado".

Quando cheguei a casa, quando a nossa porta se fechou, chorei muito, aí sim eram lágrimas de medo misturados com alegria, era o o descontrolo hormonal a falar mais alto.

Foi o perceber que a minha casa já não era a mesma, que jamais voltaríamos a ser três e que naquele momento seríamos os 4 para toda a vida, a lutar uns pelos outros como os mosqueteiros.

O início foi duro por toda as adaptações que tivemos de fazer ao nosso dia a dia, houve alturas em que achei que tínhamos uma linha de montagem de bebés em casa, eram fraldas por todo o lado, noites sem dormir, doses de colo a dobrar e todo um cansaço sem limites.

Chorei vezes sem conta quando fiquei com eles sozinha, um sem andar e o outro colado a mim como se de uma lapa se tratasse. O T era muito bebé ainda não percebia que a minha atenção tinha de ser desdobrada e para o FM só existia a mãe no seu mundo.

Mas à medida que o tempo ia passando, eles cresciam, choravam e riam juntos e em mim crescia uma paixão por aquela cumplicidade que chegava a emocionar-me.

Hoje são os melhores amigos e venham as tempestades que vierem será um amor para a vida toda. Não duvido nem por um segundo disto! Onde um está o outro está, o que um faz o outro faz em dobro, a primeira palavra que dizem ao acordar e ao deitar é "Tutu" (forma querida que se tratam).

Muitas vezes sento-me bem longe e fico a apreciar toda aquela cumplicidade que cresce todos os dias mais um pouco.
Para eles não existem diferenças, os dois são iguais e quero que se mantenha assim sempre, pelo menos é desta forma que são educados.



Mas ver um filho a puxar pelo outro quando sente que este tem alguma dificuldade como eu já vi por várias vezes, é algo indescritível, não se consegue explicar de tão forte que é.

Recordarei até ser velhinha do dia em que penso que já vos contei aqui, o momento em que o T não queria andar mais (o T tem de andar muito e muitas vezes temos de contrariar o colo) e sentou-se no chão de braços cruzados. Eu estava mais à frente com o FM de mãos dadas e quando olhámos ele estava sentado, o FM largou-me a mão e foi a correr para ele, deu-lhe as mãos, puxou-o e chamou-o vezes sem conta até ele se levantar, não desistiu e só seguiu caminho quando o irmão se levantou. Com muita pena minha não filmei porque estava sem bateria, mas as lágrimas corriam pelo meu rosto lá de longe a assistir a esta noção de entre-ajuda que o FM teve.

São exemplos destes que me fazem ter a certeza que quando decidimos ter outro filho não fomos loucos ou inconscientes. Hoje tenho orgulho da nossa decisão, do dia em que decidimos entregar-nos uma vez mais um outro para o fazer e por sermos pais de duas crianças brilhantes, que todos os dias pintam o quadro da nossa família da forma mais simples.

Não tenham medo pois a sorte protege os audazes! O sonho comanda a vida!

Eu só tive a audácia de sonhar, de lutar pelos meus sonhos e isso tornou-me feliz!





P.s: Sentei-me ao computador para vos escrever sobre o peso que tem uma criança com um irmão com necessidades especiais mas as palavras fugiram-me para aqui.
Prometo escrever-vos em breve sobre isso. Entretanto espero que tenha dado força a quem tem medo de arriscar num segundo filho tenha ou não um filho com necessidades especiais.




4 comentários:

  1. Lindo testemunho, como sempre! E linda família! Bem hajam e que Deus vos ilumine sempre! Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  2. Ainda não tinha tido oportunidade de ver este post. Meu Deus como eu me revejo nas tuas palavras. Confesso quando nós decidimos avançar para o segundo filho, fui a medo. Medo que voltasse a acontecer. Não queria voltar a sofrer. Não queria chorar mais... Avançámos também, porque merecíamos a oportunidade de ser pais "normais" e viver o que a maioria dos pais vive com um filho "normal". Atenção utilizo a palavra "normal" no sentido em que o 2º filho não tem qualquer problemática. Obviamente que independentemente da T21 o Tiago para nós é "normal" à sua maneira. Mas creio que me percebes. Costumo dizer que sou uma sortuda porque tive oportunidade de ser mãe pela 1ª vez, por duas vezes :-) As experiências e vivências com um filho com T21 e outro sem, são muito diferentes. Com um filho com T21 a logistica do dia a dia é mais cansativa devido a todas terapias e das suas necessidades, desgastante por um lado, mas ambas as experiências gratificantes sem dúvida. O tema que pretendias abordar acerca do peso que uma crainça tem com um irmão com NEE é pertinente. No teu caso eles ainda são novinhos e FM provavelmente não sente esse peso. No caso dos meus, já adolescente, noto que o meu Henrique de certa forma e insconscientemente sente esse "peso". Mas voltaremos a falar no tema. Beijinhos grandes para vós :-)

    ResponderEliminar
  3. Verdade... é mesmo como dizes somos mães pela 1vez por duas vezes porque soa realidades completamente diferentes embora super gratificantes.
    Hoje posso dizer que somos umas sortudas por termos o melhor dos dois mundos.
    Quanto ao outro texto que vou escrever... acredito que haja esse peso por mais que não queiramos. ❤️

    ResponderEliminar