Um grande susto!

2.2.18
Sem dúvida que não foi uma semana fácil...

Foi uma semana que caí várias vezes por varias razões e que tive de dar um impulso no corpo para continuar este caminho que se chama vida.

Mas pior que tudo o que já me tinha acontecido, foi ontem ter presenciado toda a minha impotência perante a fragilidade do T.

Tinha estado com eles minutos antes, dei-lhes banho, vesti-lhes os pijamas e deixei-os a jantar com a minha mãe pois tive que sair para uma reunião.

E naquele momento o que parecia um simples jantar, virou o maior inferno.

O T estava a comer todo feliz, enquanto a minha mãe ajudava o Baby FM. Até que numa garfada tudo mudou, ele engasgou-se de tal forma que em breves segundos a minha mãe questionou toda a vida.

Foi retirado de imediato da sua cadeira e virado ao contrário, bateu-lhe nas costas. O esforço foi tal que chegou a deitar sangue da boca.. nesse entretanto a minha mãe chamou de imediato o INEM e só depois de assegurar a sua estabilidade é que ligou ao meu pai para a ir ajudar naquele momento de sufoco.

Assim que estou a chegar a casa, vejo o meu pai na esquina do meu prédio, o que me deixou logo pensativa, abri o vidro para perguntar o que estava ali a fazer, ao qual me respondeu "filha, esta tudo bem, tem calma, mas o Tomás engasgou-se e a tua mãe chamou o INEM, eu estou aqui para que a ambulância me veja".

Naquele momento fiquei sem chão, e fiquei oca de pensamento, fui a correr para casa e quando cheguei já o vi bem disposto mas ainda com um ar frágil.

O Baby FM estava também na cozinha, muito sossegado e muito atento a toda aquela movimentação. Naquele momento parece que deixou de ter 21 meses para passar a ter 21 anos, deixou todas os seus disparates típicos de criança para nos ajudar a controlar todo aquele momento aflitivo da nossa casa.

Entretanto chegou o INEM, foi medida a saturação de oxigénio e estava a 100% mas o excesso de baba não me tranquilizava e fomos de ambulância para o Hospital Dona Estefânia.

Ele todo feliz na ambulância e eu com o meu coração apertado, do tamanho de uma ervilha. Aquela baba cada vez aumentava mais... assim que chegámos entrámos de imediato e aí vivenciei só um pouco do que a minha mãe tinha vivido uma hora antes... o Tomás voltou a engasgar-se e aquele rosto encarnado, com olhos arregalados, a baixar a cabeça foi como facas a espetar-me no meu coração.

Lidei pela primeira vez com a impotência, com algo que nos escapa das mãos sem saber como e porquê. O médico manteve a calma e ficou a olhar para todo aquele cenário (confesso que não consigo compreender tal atitude) mas assim que o vi cair no chão gritei "ajude-me Dr."

Pouco ou nada se conseguia fazer, até que ele conseguiu sozinho sem ajuda tirar uma ponta de uma folha de louro da garganta. Fiquei com aquilo na mão e foi aquela ponta solta que podia ter mudado a minha vida por completo num só segundo.

Felizmente que Deus meteu-lhe a mão e ajudou-o.

Foram momentos de aflição, em que só tranquilizei quando o vi sem baba e com o seu sorriso.

Acabou tudo em bem felizmente! Cheguei a casa e dormiu comigo, precisava de ter aquele calor junto a mim.

Fica esta história para vos alertar que todos os cuidados são poucos e muitas vezes uma pequena distração pode meter em causa toda a nossa felicidade.

Agradeço à minha mãe por ter tido sangue frio para lidar sozinha com toda esta situação. Se para mim foi um momento horrível o que vivenciei no hospital não quero imaginar o que foi para a minha mãe ter lidado com tudo sozinha. Só mostra que nunca tive enganada, os meus filhos têm a melhor avó do mundo. Obrigada Mãe por me teres ajudado a salvar o meu filho!! Ficarei eternamente grata.

Só lamento que perante uma urgência destas, o INEM tenha demorado 40 minutos a chegar. É muito tempo quando se trata de uma vida humana.

Quero agradecer todas as mensagens de força e todo o carinho que recebi pelo Instagram.

O nosso muito obrigada!

Agora vou agarrar-me à vida!

Bom fim-de-semana

Foi a foto possível à saída do hospital 




3 comentários:

  1. Ai tenho o coração apertado... nem quero imaginar deve ser uma aflição muito grande....
    obrigada pela partilha do testemunho Andreia e tenham um bom fim-de-semana!
    Deus é bom! ♥

    ResponderEliminar
  2. Obrigada querida Mel pelo carinho. Foi sem dúvida uma noite muito difícil mas que acabou em bem :)
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar