A perfeição também pode ser nossa inimiga

28.1.20
Embora não recuperada, sinto-me mais animada. Foi duro ver-me naquele estado, sentir que de um momento para o outro não tinha liberdade de movimentos, que não podia tratar dos meus filhos, que tinha deixado de controlar a minha própria vida. Emocionalmente foi duro, muito duro.

Sabia que o que me tinha acontecido não tinha sido um simples acidente mas uma chamada de atenção para acalmar o meu ritmo.

Semana antes de me ter queimado tinha desabafado com a minha mãe, marido e algumas amigas que me sentia esgotada e que sentia que estava a ficar com um esgotamento.

Sou uma pessoa exigente comigo mesmo, perfeccionista e que acha que o dia tem sempre mais uma hora.

Juntar à minha personalidade, que tem tanto de bom como de mau, o facto de ter que cuidar de três filhos, de estar na frente de cada necessidade sua, acumulando funções profissionais exigentes, que envolvem altos objetivos. É esgotante!

Aos poucos fui sendo engolida por tudo isto, as horas de sono úteis chegavam a ser contabilizadas pela minha mão e entrei num lopping sem fim.

Até que me queimei e fui obrigada a ter de parar pelos piores motivos.

Entretanto em conversa com uma grande amiga, formada em coaching, mandou-me uns artigos em que explicava que as queimaduras por vezes acontecem em pessoas que se sentem esgotadas ou cansadas.

Incrível como tudo na vida tem o seu significado porque dias antes tinha exatamente comentado que estava a ficar com um esgotamento.

E por falar em esgotamento, para quem está a passar pelo mesmo, explico-vos o que pode levar a um esgotamento:

"Comprometer-se a fazer mais do que pode esforçar-se demasiado, sem saber onde parar. Perfeccionismo. Resistir a diferentes pontos de vista. Obrigar as coisas a acontecer. Ter dificuldade em dizer não. Pôr as necessidades dos outros à frente das suas. Teimosia; Recusar-se a escutar o seu corpo e a reconhecer o seu valor. Uma atitude de que nada será alguma vez suficiente".

Posso-vos dizer que depois de ler isto, vi o meu nome em todas as entrelinhas.

Chego à conclusão que podia ter-me escutado mais, que podia ter olhado mais para mim e relativizar metade das coisas. Afinal de contas a vida é curta demais.

E para quem tem perguntado, já estou bem melhor. A perna direita ainda requer cuidados. Tratar de queimaduras é um processo longo. Mas ficou a lição.

Grande beijinho para vocês e Obrigada pelo vosso carinho que enche o meu coração.







Sem comentários:

Enviar um comentário