Vacilei, chorei, mas o mais importante veio comigo!

11.7.18
Tinha tomado a decisão mais difícil que alguma vez tinha tomado mas estava certa que era o acertado.

Fui contra muitas opiniões, fui contra tudo e todos e até contra mim mas estava certa da minha decisão.

Quando recebi o email da escola sobre a praia, inscrevi o T mesmo sabendo que passaria por uma semana em que tinha marcado férias.

Respirei, pensei muito e ainda discuti mais sobre o assunto. O T ficava e eu ía. O T fazia a praia com os seus amiguinhos e à tarde mantinha as terapias.

E eu teria uma semana para me dedicar ao FM como até agora nunca o tinha feito. Queria tê-lo só para mim, queria que ele fosse o meu centro de atenções porque também lhe devo isso.

É aqui que entra o desafio dos pais quando temos mais que um filho, a partilha de atenção não é fácil e por mais atentos que sejamos nunca chegaremos ao centro da questão por mais que nos esforcemos. E não é porque somos melhores ou piores pais mas porque somos humanos e não vivemos apenas no "um para um" temos sempre muita coisa a acontecer à nossa volta.

Para mim era a oportunidade perfeita! Uma semana de filho único, uma semana só nossa.

Desde a minha decisão que me mentalizava que era o melhor para mim, para o T, para o FM, para a nossa família.

O B como não conseguia tirar esta semana de férias, o T ficaria com ele e assim seria ele a comandar a nossa casa, o que também achei óptimo para que ele também percebesse como tudo funciona, não que ele não saiba mas como acabo por ter mais disponibilidade de tempo, há coisas que acabam por passar despercebidas.

Era tudo perfeito! Mas era só eu que o achava até ao dia da despedida...

Desde a minha decisão até ao dia de viajar passou um mês e meio e nesse tempo falei com várias pessoas sobre a minha decisão, agora percebo a minha necessidade em falar tanto no assunto, a cada pessoa que falava era como se tivesse a programar o meu cérebro para a nossa separação.

Entretanto chegou o dia de fazer as malas e continuei sem vacilar, um pouco assustada a passar todas as informações necessárias ao B mas nada de mais.

Até que fecho as malas e é agora. Olho para o T e explico-lhe que a mãe vai ter de ir com o mano e que ele ficaria com pai. Baixei a cabeça, o meu coração tremeu, dei-lhe um abraço. Mas segui sem frente...

A porta de casa abre-se e ele olha para mim e diz "praia, praia" e dá-me um grande abraço. Uma vez mais baixo a cabeça e tinha-o ali de volta nas minhas pernas, malas feitas ao meu redor, uma porta aberta, e eu de cabeça baixa sem coragem para a erguer.

Enquanto tive a cabeça baixa vacilei, meti tudo em causa tudo e comecei a chorar compulsivamente e disse que não aguentava deixá-lo, o B que estava a assistir a todo aquele cenário abraçou-me de lágrimas nos olhos e chorámos, ainda a soluçar disse-lhe que não aguentava ir sem ele e que levava-o comigo.

O T no meio daquilo tudo olhou-me nos olhos e sorriu para mim. Foi buscar os seus sapatos e só gritava "praia, praia, praia".

As malas estavam só pensadas para mim e para o FM e naquele momento em dez minutos, peguei nas primeiras roupas que me apareceram e enfiei dentro da mala. Com perfeita noção que não tinha roupa igual para eles e que havia coisas que ficariam pois no meio de tanta emoção não havia tempo para "futilidades".

Mas o mais importante eu levava comigo. Tudo o resto era simplesmente desnecessário.

No carro, já com eles, senti a fragilidade do B e minha também por nos separar. Não era o ideal mas aqui não havia volta a dar pois ele não conseguia mesmo ir.

Ficou a trabalhar e nós fomos!




13 comentários:

  1. Que texto tão lindo, fiquei com uma lágrima. Que texto tão real. É por isso que acho que o seu blogue é dos melhores nesta área, porque nos faz sentir como se fossemos nos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querida Mafalda. Fico muito lisonjeada em saber :) Porque na realidades somos todas mãe e todas sentimos o mesmo. Grande beijinho

      Eliminar
  2. É só o texto mais lindo, mais sincero, mais tudo uma mãe tão bonita tanto por dentro como por fora! Parabens Andreia por conseguir ser sempre mais e melhor todos os dias! Pela coragem que tem...parabéns! Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Andreia, sei o qusnto foi dificil, a ler o seu texto chorei, por comprender o que passou naquele momento. Mas, caso tivesse conseguido sair e druxar o Tomás com o Pai, nãk deixava dr ser a grsnde Mãe que é. Como já lhe disse, o coração prega-nos umas partidas.
    Um grsnde bjo e divirtam-se ��

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu chorei ao escrevê-lo pois sempre que me lembro daqueles olhos a olharem para mim o meu coração treme.
      Grande beijinho

      Eliminar
  4. A decisão do coração é sempre o caminho a seguir!! E os nossos filhos são o nosso coração... sejam felizes e uma semana cheia de amor e cumplicidades com os seus lindos e especiais filhos! Um beijinho grande ��

    ResponderEliminar
  5. Desde que vi a notícia no Jornal Local Portela e Moscavide fiquei logo sua admiradora.Sou professora do primeiro ciclo e tive na minha sala, durante 4anos, menino autista.Com o M. Aprendi muito como pessoa e profissional!Admiro-a muito como mãe!Tenho um menino com 2anos e meio e faria igual!Como mães sabemos sempre o que é melhor para os nossos filhos!Bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querida Carla pelo carinho e por nos acompanhar. O coração de mãe é forte demais para se enganar ;)

      Eliminar