A felicidade depende de nós

28.1.21

13 Dias no nosso paraíso... que chegaram ao fim.

No inicio não foi fácil aceitar a nova realidade do nosso país, mais assustador foi ainda ver os números a subir de uma forma descontrolada e nunca vista.

E de um dia (quase) para o outro a realidade de Itália tinha-se tornado a nossa.

Foi ali que nos refugiamos destes tempos incertos, com pouca coisa, porque não estávamos preparados para tal, mas fizemos a nossa vida da melhor forma possível.

Não houveram atividades programadas, nem tão pouco educacionais. Desliguei, porque senti que precisava de tempo para me reorganizar e aceitar que uma vez mais os meus filhos iam ficar sem escola e e que nós pais tínhamos de nos desdobrar em mil e uma tarefas.

Houveram acima de tudo brincadeiras livres, beijos e abraços, bolos à mesa, panquecas, pizzas feitas por nós e um cheirinho a pinhal que nos tranquilizava naqueles dias mais tristes.

Não está fácil, mas acredito que não esteja a ser fácil para ninguém! 

Infelizmente por razões, profissionais e algumas pessoais tivemos de regressar a Lisboa. E ao contrário do outro confinamento vai ser aqui que vamos permanecer, pelo menos até "conseguirmos". Gerir um negócio presencial, um teletrabalho, duas telescolas e uma casa não vai ser fácil, mas o que tem de ser tem muita força e assim será.

Para trás ficaram dias difíceis, algumas lágrimas nas entre linhas da vida mas também bons momentos.

Sei que tiveram o mais importante nestes dias e isso é o mais importante.

Acontecimentos são acontecimentos. Não são alegres nem tristes . O significado que lhes damos é que podem ser alegres ou tristes.

E acreditem que aqui nesta casa, existe um caos diário e acredito que na vossa casa também.

Escolham ser felizes no meio desta adversidade.




Sem comentários:

Publicar um comentário