Sinais de alerta para a Integração Sensorial

11.8.20
Quando escrevi sobre a necessidade do Francisquinho fazer integração sensorial estava longe de perceber o impacto que iria ter. O que é certo é que tive muitas mães a questionar sobre os sinais que me levaram a procurar ajuda.

O Francisquinho é uma criança super meiguinha mas muito irrequieta. Está sempre em busca de algo.

Foge das brincadeiras de mesa a não ser que estas impliquem experiências sensoriais, tais como, tintas, espumas, barro, plastiscina, entre muitas outras coisas.

Não se foca na tarefa mas sim em tudo o que o rodeia, consequentemente os tempos de atenção dele são muito curtos, não permanecendo na ativiadade.

Está na idade é certo, mas havia algo que me começou a chamar a atenção: o querer ver televisão sempre no volume máximo, o querer vestir vestidos para sentir a sua fluidez a rodar (movimento), a busca constante em experimentar novas texturas, tactos e cheiros.

Foram estes os sinais que me fizeram procurar apoio especializado, nomeadamente uma psicóloga, que me encaminhou para a terapeuta ocupacional. No entanto como o FM está no Desenvolve-T a ter terapia da fala e como um dos objetivos principals é trabalhar em equipa multidisciplinar a própria terapeuta da fala indicou-me que havia uma necessidade aumentada relativamente à integração sensorial

Era preciso trabalhar esse aspecto. Tentar regular o meio, os materiais para que ele se consiga melhor auto-regular e dosear comportamentos excessivos.
Aprendi que existem já em idade adulta muitas pessoas com esta necessidade mas que em criança não tiveram este alerta e se existe forma de o resolver, não me faz sentido não o ajudar nesse sentido.

Quero que ele tenha todas as bases para um desenvolvimento equilibrado porque o hoje vai refelctir-se na escola e na vida de amanhã.

O que vos posso dizer é que estejam atentas. Muitas vezes são sinais pequenos mas que estão lá. Preçam ajuda se descomfiarem de algo. Não percam tempo para ver se "passa". 

Eu pedi e só descansei quando percebi o que o levava a ter certos comportamentos.






Sem comentários:

Publicar um comentário