Quando um filho fica doente...

10.6.16

Felizmente o T tem sido uma criança muito saudável, com muitas poucas idas ao médico...

Mas quando temos de ir por algum motivo, parece que o nosso coração fica do tamanho de uma ervilha...

O dia começou alegre, mas rapidamente ficou um ambiente de preocupação e de tristeza na nossa casa... O T ficou com febre, e com ela veio um olhar cabisbaixo.. no início pensei que não passaria de uma febre e que passaria com o Ben-u-ron e Brufen... mas tal não aconteceu, continuo e até piorou...

Aquelas bochechas rapidamente viraram uma cor avermelhada, o seu sorriso foi substituído por um choro constante e a sua independência virou uma dependência...

Fiquei com ele nos meus braços a dar todo aquele miminho que ele precisava naquele momento...

O mais difícil foi gerir dois bebés completamente dependentes e a precisarem de mim, valeu a ajuda preciosa da minha avó.

Embora saiba que o Baby FM precisa de mim, não hesitei nem um minuto por ir confortar o T que era quem mais precisava naquele momento... as horas passavam e com ela aumentava a febre e consequentemente a minha preocupação...

Era altura de falar com a pediatra, estava ausente. Liguei de imediato para a Madrinha do T que é médica, telefone desligado... "ok.. nada estava a ajudar", mas algo me dizia para arranjar uma solução naquele momento pois o T tinha de ser visto pela madrinha dele. Liguei para o Hospital para tentar localizá-la, percebi que nas urgências não estava, liguei de imediato para a pediatria e finalmente conseguiram encontrá-la, mas para ligar daqui a 10 min, quando liguei já estava em reunião e não podia ser interrompida, disse que era uma urgência mas pouco havia a fazer... liguei e liguei na esperança da reunião ter acabado, até que a enfermeira que me atendeu começou a não achar normal tanta insistência e acabou mesmo por interromper, quando consegui falar, parece que tinha ganho o Euromilhões, e lá fomos a "correr" para o hospital.

Chegamos e já tínhamos a Madrinha do T à nossa espera de modo a agilizar todo o processo, para que fosse visto e feito os exames necessários, com uma febre de 40º era motivo para alarme. Desconfiaram no imediato que poderia ser algo bacteriano...

O T estava a precisar muito de mim naquele momento e só queria aquele conforto que uma Mãe sabe dar, estávamos na enfermaria para começar a picar para as análises e aquelas lágrimas, aquele choro de desespero fizeram-me sofrer com ele de uma forma avassaladora. Parece que naquele momento viramos formigas, pois ainda não temos poderes de corar os nossos filhos com um único beijo..

Ali sofri com ele agarrada, fui forte por ele e tentei mostrar que estava tudo bem. Depois foi altura de aguardar mas algo me dizia que não iríamos sair dali tão cedo e assim foi..

As horas passavam, e enquanto esperávamos ele dormia no meu colo, até que chegaram os resultados, não era bacteriano mas sim viral mas mesmo assim teria de ficar em observação no SO umas horas...

Com dois filhos é muito dificil de gerir tudo, um a precisar de mim no hospital, o outro em casa a espera do conforto do meu peito, embora tivesse deixado leite para ele, não é de um biberon que o Baby FM precisava... não querendo abdicar de um em prol do outro, tive que escolher a melhor solução. Enquanto o T ficava para observação, o T ficaria ao colo do pai e eu rumava a casa para reconfortar o Baby FM.

Peguei no carro e fui até casa com o meu coração incompleto mas com a esperança de voltar rapidamente. Aquela hora passou a semanas, até que recebi o telefonema para que o fosse buscar.

E aí sim, fiz a maior festa que se possa imaginar, como estava feliz de o levar para casa e dar-lhe novamente o mundo.

Percebi que o coração de Mãe é algo sem limites, e que se desdobra em 1000 só para ter os seus filhos com todo o conforto que precisam. É nestas coisas que percebo a grandeza do que é ser Mãe!!

Não quero deixar de agradecer à Madrinha do T, por toda a entrega e carinho, foi sem dúvida muito importante para nós!! O outro agradecimento vai para o Hospital AS por toda a prontidão e profissionalismo em tentarem resgastar a energia e sorriso do T.











1 comentário:

  1. Coração de mãe sofre, mas também o tamanho é enorme para guardar tudo pela vida fora...Tudo a correr bem minha querida, daqui a nada o T já anda a brincar como se não fosse nada. Beijinhos

    ResponderEliminar