Sobre um amor que entrou sem pedir licença

20.4.21

O amor quando nasce pode ser de várias formas, não é preto no branco.

E foi na terapeuta do Tomás, que encontrei um dos amores mais bonitos que alguma pensei conhecer.

Um amor puro, genuíno, que vai muito além de "notas" ao fim do mês.

Lembro-me do dia em que lhe "dei" o meu filho Tomás para os seus braços, ela uma miúda de 24 anos, ele um bebé de quatro meses. Disse-lhe os meus sonhos, e o que ambicionava,  apresentei-lhe o método de estimulação que lhe fazia diariamente e confiei-lhe.

Nos primeiros dias ainda aferi o seu trabalho, ainda analisei os relatórios para perceber o que estava a ser feito, mas rapidamente percebi que tinha em mãos mais que uma terapeuta.

Aos poucos deixei-a assumir o seu comando e eu ganhei o meu papel de mãe. 

Eram quatro horas de trabalho árduo, em que tantas vezes foi mãe, irmã e terapeuta do meu filho.

A Filipa por incrível que pareça é um dos pilares mais fortes da nossa vida. Aquele pilar que ao abanar, arrasta uma família inteira.

Deixou-nos durante seis meses para ir viver um sonho e foram talvez os piores seis meses da nossa vida. 

Mas mesmo longe acompanhou o desenvolvimento do Tomás de perto e quando o seu avião aterrou, jurámos que nunca mias nos separávamos e assim foi até hoje.

Hoje não é só a teraputa do Tomás, é a irmã que sempre sonhei, é a minha confidente, é quem vive as minhas alegrias e as minhas tristezas em primeira mão, é a madrinha da Constança, é a minha sócia. É a minha estrela Guia!

É a nossa Filipa! Foi quem acreditou desde o primeiro dia, desbravou caminhos tantas vezes impossíveis e tornou o impossível, no possível!

Tem no seu trabalho um dom e o dinheiro nunca será suficente para lhe pagar o que fez e faz por nós.

A si Filipa desejo-lhe o que desejo para mim! Uma vida feliz!

Parabéns!! E que venham mais 31 ao seu lado 💗

Andreia




Sem comentários:

Publicar um comentário